About Us

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit.

Aenean vulputate nisl arcu, non consequat risus vulputate sed. Nulla eu sapien condimentum nisi aliquet sodales non et diam. Duis blandit nunc semper rutrum congue. Phasellus sed lacus ut odio vehicula varius. Etiam iaculis feugiat tortor ac ornare.

Stay connected

Blog Post

Podemos confiar na credibilidade jornalística? Confira 3 problemas que devemos combater
Marketing de conteúdo

Podemos confiar na credibilidade jornalística? Confira 3 problemas que devemos combater 

É inegável que a internet potencializou o mercado da informação de tal maneira que fica até difícil não usá-la como fonte de pesquisa, não é verdade? No entanto, até que ponto isso pode influenciar a credibilidade jornalística?

Com o avanço exponencial da tecnologia e a fluidez dos meios de se obter informação, fica cada vez mais complexo filtrar o conteúdo que consumimos. Inclusive, isso acaba colaborando com o conceito de pós-verdade, ou seja, aquela velha história de que “se está na internet, é confiável”.

Sendo assim, resolvemos trazer 3 aspectos que tem prejudicado bastante a imagem do jornalismo e que precisamos combater urgentemente. Confira!

1. Partidarismo

Embora seja completamente natural e instintivo que tomemos partido de algo com o qual nos simpatizamos no dia a dia, quando se trata do jornalismo sério e coeso, torna-se inconcebível que um veículo de mídia seja partidário a um dos lados. A missão de qualquer profissional da área é noticiar fatos de interesse público, desde que haja imparcialidade.

Nos últimos tempos, principalmente em anos de eleição, vemos uma onda de publicações que foge a esse lema e faz com que muitos veículos de imprensa percam a credibilidade jornalística perante a população. O partidarismo deve ser duramente combatido e evitado na hora de desenvolver qualquer tipo de texto.

Para se ter uma ideia, ao publicar uma notícia referente às investigações da Lava Jato, por exemplo, deve-se ter cuidado para deixar a informação precisa e justa. Caso contrário, a chance de o leitor indicar que o jornal faz “politicagem” para a esquerda ou para a direita é muito forte, o que pode pôr em xeque a veracidade da notícia e, principalmente, da mídia que publicou.

2. Fontes não seguras

Outro perigo que pode abalar a confiabilidade dos leitores em uma mídia é a utilização de fontes não seguras. Vale lembrar que isso fere o princípio jornalístico de informar a verdade, afinal, se a fonte não tem a credibilidade esperada, torna-se fácil de as pessoas questionarem a notícia e ainda rotularem o jornal como sensacionalista.

No jornalismo digital isso acontece muito, principalmente se o profissional só se preocupa com o imediatismo da notícia, a fim de estar um passo à frente de seus concorrentes. É fundamental que qualquer assunto abordado seja checado e só depois disso publicado, pois assim você se assegura de que não desconfiarão do que foi escrito.

Para isso, dê prioridade a fontes governamentais, empresas de estatísticas, pessoas gabaritadas e demais recursos que sejam inquestionáveis, visto que os artigos precisam estar embasados com dados fidedignos a fim de evitar falatórios. Embora a internet disponha de um manancial riquíssimo de referências, nem tudo corresponde integralmente à verdade, por isso é bom ter atenção.

3. Compartilhamento de Fake News

Por fim, mas tão relevante quanto os demais cuidados, a preocupação com as famosas fake news já é presente na sociedade, principalmente por conta da repercussão causada nas últimas eleições presidenciais no Brasil. A propagação de mentiras é um desserviço à sociedade e arranha a imagem de qualquer mídia.

O compartilhamento de notícias falsas, muitas das vezes, pode ser resultante do ato de ser partidário a algum lado e negligenciar fontes confiáveis. A falta de conhecimento por parte de quem reproduz a notícia também é um fator preponderante, pois tende a divulgar com mais rapidez aquilo que se supõe ser verdadeiro.

Em outros momentos, somos acometidos por emoções e não reparamos em detalhes simples que um link pode conter, como um endereço modificado, uma manchete sensacionalista e assim por diante. A falsa mudança de data da prova do ENEM é um bom exemplo de fake news, visto que as pessoas repercutiram a situação sem nem ao menos desconfiarem se aquilo vinha do Ministério da Educação ou não.

Portanto, saiba apurar os fatos, corra atrás do que realmente diz respeito à verdade e dê espaço para os dois lados da notícia, visto que isso evita abalos na credibilidade jornalística que possam prejudicar a confiança dos leitores naquele veículo.

Se você gostou deste artigo e acha que seus amigos precisam ler isso, então aproveite a visita ao blog e compartilhe o post em suas redes sociais. Até a próxima!

Powered by Rock Convert

Posts relacionados

Deixe uma resposta

Campos obrigatórios *

Site criado por Rock Content.